divisor

P-Spot Massagem Tântrica

A P-Spot Massagem Tântrica é colocada como último estágio dentro de um desenvolvimento sensorial pois os benefícios que ela é capaz de produzir no corpo e no comportamento são muito mais amplificados em um corpo já sensibilizado pelo toque da sensitive, que já tem familiaridade com os altos níveis de energia, a força e a tonificação muscular da Lingam Massagem Tântrica.

Essa técnica está disponível para homens independentemente da sua orientação sexual.

Trabalhar a sensibilidade e a explosão energética por meio do ânus do homem não tem absolutamente nenhuma relação com uma inclinação hétero ou homoafetiva.

Fato é que a próstata apresenta um tecido extremamente sensível, ligado diretamente com todo o trabalho de excitação e da resposta sexual do homem.

Nas sessões de P-Spot o trabalho começa com os estímulos da Lingam Massagem  para preparar o corpo do homem para o momento da penetração do dedo e as manobras de toque prostático.

Toda estimulação é feita de maneira leve, lenta, acompanhando a respiração e os movimentos do seu corpo  

Após alguns minutos as ondas orgásticas começam a se espalhar por todo o corpo.

O processo da liberação energética da P-Spot geralmente induz o homem a grandes liberações emocionais.

Você irá descobrir uma nova qualidade de prazer e orgasmo através de regiões sensoriais de grande potencial energético mas comumente pouco exploradas.

BENEFÍCIOS DA P-SPOT MASSAGEM:

INDICADO PARA:

Homens acima de 18 anos, que já receberam algumas sessões de SensitiveLingam e Êxtase Total Massagem.

DINÂMICA DO ATENDIMENTO:

A sessão dura em média 90 minutos.

A Terapeuta permanece vestida durante todo o atendimento.

AGENDE SUA SESSÃO:

       Laís:   48-99180-2266 

         Aline:  48-99182-8209 

“Eu recomendo a todos os homens que passem por esta experiência. Trata-se do conhecimento de seu corpo, dos recursos abundantes de prazer que este ponto oferece, tornando tão intensos seus orgasmos, quanto os orgasmos femininos. Trata-se de uma experiência de incrível transcendência.” – Deva Nishok